Jayro Schmidt, Lages, Santa Catarina, 1947. Reside em Florianópolis.

 

Artista visual, escritor, com atividades na área do ensino em gravura, desenho, pintura, teoria literária e história da arte. Atua, também, no campo da programação visual e na editoração do livro como objeto de arte.

 

Participou de várias exposições coletivas e de salões nas principais capitais brasileiras, inclusive da Bienal Nacional de São Paulo.

 

Tem publicado, entre outros, os livros Vincent van Gogh – pintor das cartas (biografia), Letras Contemporâneas, 1996; A uma sombra (ensaios), Bernúncia Editora, 1998; Paulo Leminski: do carvão da vida o diamante do signo (ensaio), Bernúncia Editora, 2006; Movimentos e significados nas artes plásticas (verbetes de referência), Criação e Bernúncia Editora, 2007; No sertão das palavras – leitura de Grande sertão: veredas (ensaio), Letras Contemporâneas, 2010; É assim que os dias passam (ensaio), Edição do Autor, 2014; Érico Max Müller – o poeta esquecido (ensaio), FCC Edições e Bernúncia Editora, 2014; Escrevo desde um interstício – a ficção de Julio Cortázar (ensaio), FCC Edições, 2014; Marcel Duchamp – Eros é a vida (biografia), Letras Contemporâneas, 2015; O bandido que não sabia latim – ensaios sobre Lima Barreto, Edição do Autor, 2016.